A barca de Gleyre

Com a epígrafe "Quarenta anos de correspondência literária entre Monteiro Lobato e Godofredo Rangel". Vai de 1903 a 1948. O próprio Lobato se espanta: "quarenta anos do mesmo amigo e mesmo assunto, que fidelidade... E a consequência foi se tornarem uma raríssima curiosidade". Lançada em 1943, é a última obra de Lobato na Editora Nacional. 
O autor explica que carta não é literatura, é algo à margem da literatura, porque literatura é uma atitude - é a nossa atitude diante desse monstro chamado público, para o qual o respeito humano nos manda mentir com elegância, arte, pronomes no lugar e sem um só verbo que discorde do sujeito. O próprio gênero memórias é uma atitude: o memorando pinta-se ali como quer ser visto pelos pósteros - até Rouseaau fez assim - até Casanova.... Mas cartas não... Carta é conversa com um amigo, é um duo - e é nos duos que está o mínimo de mentira humana.

COMPRE AGORA