Desenhos e Pinturas

Desenhos e Pinturas

Monteiro Lobato jamais escondeu sua paixão pela pintura e gostaria de ter cursado uma escola de Belas Artes.
Por imposição do avô, seu tutor após a morte dos pais, acabou entrando para a Faculdade de Direito.

Desistiu das artes plásticas e se fez escritor, numa transposição vocacional com reflexos em toda sua obra. "No fundo não sou literato, sou pintor. Nasci pintor, mas como nunca peguei nos pincéis a sério (...) arranjei este derivativo de literatura, e nada mais tenho feito senão pintar com palavras" Monteiro Lobato.

Em 1909 chegou a participar de um concurso de cartazes no Rio de Janeiro, colaborando com desenhos para revistas como Fon-Fon e Vida Moderna, além de ilustrar a primeira edição do livro Urupês. Na década de 1910 tornou-se um dos mais importantes críticos de arte na cidade de São Paulo. Pintou até os últimos dias de vida, e nos legou histórias cheias de cores e de formas como se fossem quadros.

Aquarela feita por Lobato
Desenho de Lobato realizado em Nova Iorque
Aquarela feita por Lobato
Aquarela feita por Lobato
Aquarela deita por Lobato
Aquarela feita por Lobato
Aquarela feita por Lobato
Purezinha feita a óleo por Lobato
Nanquim feito por Lobato
Porteira aberta dedicada à Purezinha, aquarela feita por Lobato
Técnica utilizada por Lobato em suas incursões nas artes plásticas
Nanquim de Lobato
Desenho de Lobato realizado em Nova Iorque
Ilustração para o conto O mata-pau, elaborado em 1918
O Saci, personagem símbolo de Lobato, em desenho nanquim do próprio escritor
Aquarela de Lobato alusiva à Campanha Civilista
Ilustração ara o conto Os Faroleiros, elaborado em 1918
Técnica utilizada por Lobato em suas incursões nas artes plásticas
Técnica utilizada por Lobato em suas incursões nas artes plásticas
A Fazenda Buquira, em 1912
Tia Benedita, nanquim de Lobato
Volta de Caçapava em nanquim, por Monteiro Lobato.
Aquarela retratando a casa que Lobato ocupava em Areias.
Desenho mais antigo de Lobato, dedicado à sua avó, feito a lápis em 1892
Vista de Taubaté em aquarela de Monteiro Lobato
Uma visão romântica da gente do campo por Lobato
O feminismo segundo caricatura de costumes publicada por Lobato na primeira edição de América
Sob o impacto da automação, Lobato inclui caricaturas sobre robôs no livro América
Da janela de sua casa, Lobato registra, em aquarela, a vista do bairro carioca da Tijuca